Veja lista dos estados com maior incidência de Aids em 2010

Tags:, ,

O Rio Grande do Sul é o estado com maior incidência de Aids no país, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (28) pelo Ministério da Saúde – veja lista de estados no quadro ao lado. A taxa de incidência de casos da doença é de 37,6 para cada 100 mil habitantes.

(Observação: ao ser publicada, esta reportagem informou números errados com base em dados divulgados de manhã pelo Ministério da Saúde, em entrevista em Brasília. No final da tarde, a assessoria do ministério admitiu que distribuiu à imprensa uma tabela errada. As informações desta reportagem foram corrigidas às 19h42.)

O segundo estado que, porporcionalmente a sua população, tem mais registros é Roraima, com 35,7 casos por 100 mil habitantes.

Em terceiro lugar no ranking está Amazonas, com índice de 30,9 por 100 mil, seguido por Santa Catarina (30,2) e Rio de Janeiro (28,2).

Na outra ponta da lista, está o Acre, com 7,2 casos para cada 100 mil habitantes.

Municípios do Sul
Os municípios da região Sul dominam a lista das 14 cidades com mais de 50 mil habitantes que, proporcionalmente, possuem mais casos de Aids.

Em primeiro na lista, está Porto Alegre, com taxa de incidência de 99,8 casos por 100 mil habitantes.

Também localizado no Rio Grande do Sul, Alvorada é a segunda cidade com mais registros de Aids, 81,8 por 100 mil habitantes. Em terceiro no ranking está Balneário de Camboriú (SC), seguido por Uruguaiana (RS) e Sapucaia do Sul (RS).

Regiões
O Sul tem, proporcionalmente, a maior incidência da doença quando comparado às demais regiões do país, apresentando, em 2010, indíce de 28,8 casos por 100 mil habitantes.

Em segundo na lista, está o Norte (20,6), seguido por Sudeste (17,6), Centro Oeste (15,7) e Nordeste (12,6).

Os casos de óbito também são mais numerosos no Sul, onde o coeficiente registrado em 2010 foi de 9 mortos pela doença para cada 100 mil habitantes. O Norte aparece em segundo em mortalidade (6,5 para cada 100 mil).

A região com menos mortos por Aids é o Nordeste. Segundo o Ministério da Saúde, os dados de mortalidade no Sul revelam que a doença tem sido diagnosticada tardiamente na região.

Redução de casos
Os novos casos de Aids e óbitos pela doença sofreram pequena queda em 2010, quando comparados a 2009, segundo dados divulgados nesta segunda pelo Ministério da Saúde.

Foram registrados no país 34,2 mil novos casos de Aids no ano passado, contra 35,9 mil em 2009. De 1980 a junho de 2011, 608.230 pessoas foram infectadas no país. A taxa de incidência da doença passou de 18,8 por 100 mil habitantes em 2009 para 17,9 em 2010.

No ano passado, 11,9 mil pessoas morreram em decorrência da Aids, enquanto em 2009 foram registradas 12 mil mortes. Apesar da leve redução, o coeficiente de mortalidade se manteve igual – 6,3 por 100 mil habitantes.

“Estamos vendo uma tendência de diminuição do número de casos ao longo dos anos, as pessoas estão vivendo mais e melhor com a doença”, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Estados com maior incidência de Aids
Unidade da Federação Número de casos a cada 100 mil habitantes
Rio Grande do Sul 37,6
Roraima 35,7
Amazonas 30,9
Santa Catarina 30,2
Rio de Janeiro 28,2
Espírito
Santo 

 

20,4
Pará 19,5
Paraná 19,0
Mato Grosso do Sul 17,9
Mato Grosso 17,4
Amapá 17,2
Pernambuco 17,0
Rondônia 16,6
São Paulo 15,9
Distrito Federal 15,8
Maranhão 14,1
Goiás 14,0
Bahia 12,0
Minas Gerais 12,0
Sergipe 11,9
Ceará 11,1
Piauí 11,0
Rio Grande do Norte 10,6
Alagoas 10,6
Paraíba 10,5
Tocantins 9,5
Acre 7,2
Fonte: Ministério da Saúde

Fonte: G1

Data de criação: 29/11/2011
Última atualização: 29/11/2011

Tags:, ,

Textos relacionados:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

2 Comentários Publicados

  1. Antonio c. de jesus serafim disse:

    é muito importante que todos tenham direitos e deveres de ficar bem informados sobre diversas doenças infecto contagiosas como HIV – HEPATITE A B e C e outras doenças sexualmente transmissíveis

  2. valkíria rego disse:

    Essas microscópicas melhoras não são suficientes para amenizar a enorme dimensão das mazelas que insistem em permanecer na saúde pública.

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem