Reportagem com pessoas que vivem com HIV/aids há mais de duas décadas é destaque no caderno Equilíbrio

Tags:, , ,

25/03/2010 – 10h

Positivo e operante

25 anos após os testes do primeiro remédio para combater a Aids, três portadores do vírus HIV contam como é ter a doença há mais de duas décadas

No princípio, era o fim. Há 25 anos, quando o primeiro medicamento para tratar pacientes com HIV começou a ser testado, o diagnóstico da doença equivalia a uma sentença de morte. Desde que surgiram os primeiros pacientes da epidemia, em 1981, o AZT era a primeira e única esperança para os infectados.

Apesar da boa notícia, perderam-se muitas vidas até que o remédio se tornasse acessível. A distribuição gratuita no Brasil começou em 1991, mas, até meados da década de 90, o tratamento era para poucos.

“Ou o sujeito tinha muito dinheiro e comprava de importadores ou contava com iniciativas isoladas de algumas prefeituras”, lembra Esper Kallas, infectologista da USP.

Além disso, o AZT estava longe de ser uma panaceia. A dosagem prescrita na época, o dobro da atual, provocava efeitos colaterais como anemia e intolerância gastrointestinal e deixava de agir após um ano, em média. “Houve grande resistência ao tratamento [por parte dos pacientes]. Na maioria dos casos, nem eu me convenci de seu impacto”, afirma o oncologista Drauzio Varella, que tratou alguns dos primeiros doentes de Aids do país.Rosa Alencar, da Coordenação Estadual de DST-Aids, concorda. “O AZT teve um impacto relativo porque não trazia melhora sustentada.”

Até o grande salto no combate ao problema, que o colocou no patamar das doenças crônicas em que se encontra hoje, passaram-se dez anos. Em 1995, o desenvolvimento dos primeiros inibidores de protease -drogas que agem em um estágio avançado da multiplicação do vírus nas células de defesa- mudou todos os paradigmas de tratamento. “A evolução foi absolutamente inacreditável”, afirma Varella.

Nessa época, o exame de carga viral possibilitou uma avaliação mais acurada da progressão da doença, ajudando a definir o melhor momento de iniciar o tratamento. “Pela primeira vez, conseguimos deixar pessoas com a carga viral indetectável. Muita gente hoje é sobrevivente desses dias”, diz Kallas.

No ano seguinte, a lei de acesso universal aos antirretrovirais foi aprovada, alçando o Brasil ao posto de protagonista mundial na luta contra a Aids.

Segundo a Unaids, braço da ONU para o tema, as mortes decorrentes da doença caíram 18% desde o lançamento dos coquetéis, mas a transmissão está longe de ser interrompida.

No Brasil, onde 700 mil pessoas carregam o vírus, menos da metade sabe que é portadora. “Aqui, 16% dos pacientes morrem no primeiro ano porque o diagnóstico está sendo feito tarde”, diz Kallas.

Com a ameaça de morte mais distante, os próximos desafios incluem ampliar o diagnóstico e minimizar os efeitos colaterais da medicação.
Se as conquistas nessa área continuarem no rumo certo, mais pessoas poderão viver com o vírus pelos próximos 25 anos ou mais -assim como Hugo Hagström, Valéria Polizzi e José Araújo, que falam de suas vidas com o HIV a seguir.

Não penso no futuro

Desde 1997, quando lançou o livro “Depois Daquela Viagem” (ed. Ática, 279 págs., R$ 32), no qual relata sua experiência como portadora do HIV, Valéria Piassa Polizzi é um nome familiar para adolescentes e adultos que aprenderam com ela os riscos da infecção.

Adotado pelas escolas, o livro teve mais de 300 mil exemplares vendidos e foi traduzido em diversos países. Desde aquela época, a garota que recebeu a notícia de que não viveria mais do que seis meses no auge de sua juventude percorreu o Brasil dando palestras, viajou pelo mundo, casou, separou, escreveu outros dois livros e concluiu uma faculdade.

Aos 39 anos, Valéria convive com o vírus da Aids há 23 -foi contaminada nas primeiras relações sexuais, por um namorado. “Era uma doença de homossexuais masculinos, parecia muito distante da gente, meninas de classe média.”

Soube que tinha o HIV por seu pai. “Diziam que vivia dez anos quem tinha muita sorte. A vida foi parando. Fiz três meses de faculdade e larguei. Pensava: “Não vai dar tempo de acabar”.”

Pouco depois de voltar de uma viagem aos EUA, Valéria foi internada. O médico que a acompanhava havia indicado a hora de iniciar o tratamento, mas ela saiu do consultório e não voltou mais. “”Para que, se vou morrer de qualquer jeito?”, pensava. Eu via o efeito colateral do AZT nas pessoas.”

Aos 24 anos, passou um mês no hospital, com tuberculose renal, pela primeira e única vez.Depois de um ano, o médico suspendeu o AZT, que parava de fazer efeito. Nessa época, começou a escrever o livro.

Após um intervalo de quase dois anos sem medicação, o coquetel foi lançado e Valéria voltou a se tratar.

As viagens constantes eram o único plano que ela se permitia fazer. “Não conseguia pensar a longo prazo. Era, no máximo, para o mês que vem.”

Quando ela tinha 26 anos, o livro foi publicado. Valéria viajou pelo país inteiro dando palestras e ganhou uma coluna em uma revista voltada para adolescentes.

Alguns anos depois, conheceu o ex-marido, “que era soronegativo e continua sendo”, na Nova Zelândia. Depois de ficar três anos na Áustria, onde ele morava, voltaram ao Brasil. “Estava com 33 anos, não morri e não fiz faculdade. Queria estudar e me formei em jornalismo.” Agora, dedica-se à pós-graduação em criação literária.

Valéria tem problemas renais e faz exercícios físicos para combater a lipodistrofia, um problema de má distribuição da gordura corporal que também eleva o colesterol e os triglicerídeos. Toma antidepressivos, como a maioria de seus amigos soropositivos.

Com a carga viral indetectável “há muito tempo”, ela encara o HIV como doença crônica. “Vida normal que a gente fala é conseguir trabalhar, estudar, mas eu tenho uma doença. Está controlada, mas está aqui.”

Mesmo tendo ultrapassado os prognósticos mais favoráveis, Valéria ainda acha difícil fazer planos de longo prazo.

O fim da negação

Em 1985, o cabeleireiro Hugo Hagström tinha 24 anos e uma DST (doença sexualmente transmissível) difícil de curar. Seus amigos que voltavam do exterior traziam notícias da “peste gay”. Hugo uniu uma informação a outra e achou prudente fazer o exame. “Disseram que eu tinha mais seis meses de vida. Saí desnorteado e passei três anos tentando negar a doença, porque não tinha sintomas”, recorda-se.

Por mais de uma década, viveu à espera da morte, intercalando fases de adesão ao tratamento com outras de abandono, até que essa atitude cobrou seu preço. “Não conseguia me alimentar e entrei em estado terminal, mas, por sorte, foi quando surgiu o coquetel.”

Após quatro meses de internação, saiu do hospital sem falar e precisou de um ano para voltar a andar. Um descolamento de retina, causado por citomegalovírus, tirou-lhe parte da visão -até hoje, enxerga muito mal. Nunca mais largou o coquetel e, depois de enfrentar seis anos de efeitos colaterais, como uma diarreia acentuada, vive sem eles.

Também é mais tranquilo em relação à sua condição. “Quase perdi a vida e, depois que a ganhei de volta, vi que o HIV faz parte dela. Não tenho mais vontade nem motivo para negar isso.”

Os períodos cíclicos de depressão também se tornaram mais leves. “Redescobri o rumo, o privilégio de poder continuar a viver.”

No auge da juventude, Hugo chegou a passar um ano inteiro “assexuado”, como diz. Para os parceiros eventuais, não revelou que tinha o vírus. Enquanto a aparência e o estado clínico permitiram, continuou a trabalhar. No fim da década de 90, depois da internação, pediu a aposentadoria.

Entre a doença e o retiro, contou com o apoio financeiro de parentes. “Sou uma exceção daquele tempo, porque as pessoas eram abandonadas pela família, pelo trabalho, e nada disso aconteceu comigo. Meu autopreconceito é que foi muito forte. Eu já era rotulado por ser homossexual, e ser rotulado também de portador de “câncer gay” era demais.”

Hugo acha que esse panorama não mudou completamente. “As pessoas que sabem de um heterossexual portador de HIV sempre questionam se, em algum momento, ele não foi homossexual. A orientação sexual sempre permeia pelo lado negativo essa questão.”

Na organização onde trabalha voluntariamente há mais de uma década dando apoio a soropositivos, ainda ouve histórias como as de 25 anos atrás. “Tivemos conquistas, mas há hoje um discurso muito mentiroso, porque não pega bem falar que Aids é um nojo. Mas continuo ouvindo relatos de gente que separa copos, que a família manda embora.”

O infectologista Esper Kallas faz coro. “Melhorou, mas ainda existe preconceito. A infecção eclodiu principalmente em homens que fazem sexo com homens e em usuários de drogas. Isso trouxe uma reação social muito intensa, que tentamos apagar até hoje.”

25 anos sem pisar no hospital

Entre a notificação dos primeiros casos de Aids, em 1981, e o estabelecimento do agente transmissor da doença passaram-se anos. Foi em 1985, nesse cenário de incerteza, medo e preconceito, quando a doença era conhecida por “peste gay” e “câncer gay”, que o comerciário José Araújo, então com 28 anos, decidiu fazer o teste.

Certo de que estaria a salvo da doença, um mês depois do exame recebeu a sentença: era soropositivo. “O impacto foi muito forte porque eu estava fora do grupo de risco. O fator principal era ter se relacionado com algum estrangeiro, coisa que eu não tinha feito.”

Quando o médico disse que ele tinha dois anos pela frente antes de desenvolver a doença, a sensação foi de alívio. “Para mim, era muito tempo. Saí feliz com a notícia.”

Cercados de estigma e preconceitos, muitos soropositivos preferiam não revelar sua condição, a não ser para poucos familiares. “Todo mundo escondia, era um sofrimento muito solitário. Eu me afastei dos amigos porque tinha medo de deixá-los. O medo do preconceito era assustador.”

O tempo foi passando e Araújo continuou mantendo segredo de sua condição. “Fiquei cinco anos abstêmio e, depois, voltei a fazer sexo. Mas era sexo com culpa, com medo de transmitir. E de gostar de alguém e isso não dar certo”, afirma.

Embora vivesse com boa saúde, a doença parecia sempre à espreita. Em 1990, a aparição pública de Cazuza na fase terminal da doença teve um impacto devastador sobre ele. “Ele foi um carrasco para mim, pois poderia ser eu a qualquer momento e isso era muito duro. Como não conhecíamos ninguém vivendo bem com o HIV, via nele o próximo passo.”

Naquela época, começou a fazer parte do GIV – Grupo de Incentivo à Vida, uma associação pioneira de ajuda mútua a pessoas que vivem com o vírus. Foi também no início dos anos 90 que sua família soube de sua doença, pela televisão. “Um programa ia debater a questão e não encontrava portadores para falar. Fui cruel com a minha família: pedi que todos assistissem e disse que ia discutir economia. Foi a forma que achei de falar, mas fui irresponsável”, reconhece.

Pouco depois que os exames de carga viral e de contagem de CD4 tornaram-se disponíveis, Araújo começou a tomar o coquetel. Dos nove comprimidos diários de 1998, hoje restam apenas cinco.

Com a morte à espreita, Araújo não investiu na carreira e passou anos vivendo de bicos. Acabou se dedicando, primeiro no GIV, depois na ONG Espaço de Prevenção e Atenção Humanizada, no Campo Limpo, zona sul de São Paulo, a dar apoio a outros portadores. “As pessoas que eu ajudei a cuidar me deram um sopro de vida. Para mim foi fantástico.”

Aos 52 anos, prestes a completar 25 anos com o vírus e com a carga viral indetectável há quatro, faz planos como se fosse viver eternamente. “Preciso acreditar nisso, mas vivo intensamente o dia de hoje.”

Fonte: Folha de S.Paulo – RACHEL BOTELHO

Data de criação: 25/03/2010
Última atualização: 25/03/2010

Tags:, , ,

Textos relacionados:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

413 Comentários Publicados

  1. Anônimo disse:

    Uma pessoa muito próxima vive com AIDS há alguns e vive uma vida muito feliz graças ao uso dos coquetéis, apesar de eventuais problemas de saúde. Porém, há uma variedade limitada de coquetéis, e parece que essa pessoa já passou por quase todas elas. O que acontece quando não há mais coquetéis novos a serem adotados? Há algum tratamento após isso?

    Grato pela atenção e pelo ótimo texto.

    • Aids Hiv disse:

      Anônimo, certamente essa pessoas está sendo acompanhada por médicos. então fique tranquilo, quando for necessário, os medicamentos serão alterados ou mesmo repetidos.

  2. anonima disse:

    ACEITAR? NUNCA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! EU TENHO O DIREITO DE ME REVOLTAR CONTRA ISTO, DE TER VERGONHA, TER MEDO E TER ODIO SIM! SABE PORQUE EU NÃO QUERO VIVER ESTA DESGRAÇA DE EXPERIENCIA NENHUMA, VCS DISSEM ISTO PORQUE NÃO TEM ESTA MALDITA DOENÇA DENTRO DE VCS. É BEM FACIL FALAR QUANDO NÃO SE VIVE O PROBLEMA. PALAVRAS, CONSELHOS EU TO CHEIA DISTO. VCS LEVANTAM CEDO E SABEM QUE NÃO PRECISAM VIVER CHAPADOS DE DROGAS DENTRO DE VCS OU ESTES REMÉDIOS TEM OUTRO NOME???? PERDI MINHA VIDA, MEUS SONHOS, NÃO CONSIGO IMAGINAR UM FUTURO PARA MIM E NEM SEI SE VOU VER MINHA FILHA CRESCER, VER MEUS NETOS, E COM QUE ELA VAI VIVER QUANDO ESTA MALDITA DOENÇA AVANÇAR EM MIM??? HJE SE ENCONTRO O DESGRAÇADO QUE ME TRANSMITIU ISTO EU MATO SEM PIEDADE NENHUMA. JUNTO COM ESTA PESTE DE HIV VEM OUTRAS DOENÇAS E ISTO NENHUM MÉDICO CHEGA PARA VC E DIZ FICAM CONTANDO LOROTAS E MAIS LOROTAS, BLA BLA BLA PARA FAZER DE CONTAS QUE NÃO ESTAMOS MORRENDO EM VIDA. PAREM DE HIPOCRISIA!

    • Aids Hiv disse:

      Anonima, respeito sua revolta e sua forma de encarar a vida daqui pra frente. porém, de nossa parte, não há hipocrisia nenhuma ao tentar mostrar que a vida continua, independentemente do seu organismo ter o vírus A, B ou C.
      no mais, é cuidar da saúde, em todos os aspectos, físico, emocional e mental para tentar – disse tentar – ter uma vida menos “pesada”. tudo de bom

  3. danilo disse:

    Fiz meu comentário por curiosidade, e acabei de ler a resposta.Não sei quem retorna estas mensagens, mas foi muito engraçado, fiz o meu comentário e a pessoa colocou q quanto aos meus problemas, instante algum eu descrevi q estou com problema, ou seja, vcs veem realmente a doença como um problema, Porque expus apenas que o meu organismo esta fazendo rejeição dos remédios e que os efeitos colaterais dos remédios são mais fortes do que o próprio HIV Além do que, tenho que ler que a minha menta e emoção tem que estar em ordem, que isto “controla o meu organismo”, volto a dizer instante algum eu disse q a minha mente e emoção não estão em ordem…ah mas vai falar isso pro meu figado, porque não tenho como controlar que o meu organismo esta rejeitando os remédios. Enfim, oque me escreveram foi completamente amador, mas eu li e me fizeram dar risada do despreparo da resposta!!! Boa sorte

    • Aids Hiv disse:

      Danilo, que bom que o comentário te fez rir, pelo menos não foi ficar com raiva né.
      talvez não tenha ficado claro, mas o que tentei colocar foi que o mais importante é você estar encarado o contexto de maneira tranquila, como você relatou, independentemente do “vou sempre estar com problema no figado, nos rins…”
      tudo de bom e boa sorte

  4. Nice disse:

    Como saber pela carga viral a quanto tempo estou infectada?
    qual quantidade?
    se puder me ajudar, agradeço
    sbs…

  5. claudia disse:

    Oi Silvania li seu depoimento e me identifiquei muito contigo pois tbem sou portadora do virus HIV sou casada mas meu esposo nao tem o virus eu estou muito bem graças a Deus nosso sonho é ter um bebezinho, mais tenho medo. entao gostaria muito de sua ajuda gostaria de saber qual foi o procedimento de vc usou pra engravidar se possivel gostaria que vc se explicasse tudo direitinho como vc fez pra conseguir realizar essa bençao de ser mae aguardo vc bjus e tudo de bom …

  6. Pondja disse:

    Oi. Em dezembro fiz teste de hiv com aminha namorada e deram negativo, e em janeiro conheci uma jovem e tranzamos e infelizmente a camisinha estorou e a jovem era seroposetiva, passando isso, eu ia trazando nornalmente com a minha namorada sem camizinha, tres meses depois repeti o teste de hiv com a minha namorada e o dela deu posetivo e o meu deu negativo, asvezes eu axo que eu a contaminei e que o virus em mim nao reage, sera isso possivel e ja fiz muitos testes e todos sao negativos, me ajude o sentimento de culpa me possui. Gratos pelo espaco

    • Aids Hiv disse:

      Pondja, a sua namorada repetiu o teste para confirma o positivo? é importante que ela refaça o exame… há possibilidade dela ter sido contaminada que nao seja por você? é preciso ver todas as possibilidades… lembre-se que vc mesmo não tendo sido contaminado deve ter relaçoes apenas com camisinha… procure orientações de um infectologista, vc e sua namorada… tudo de bom

  7. wanderson disse:

    Boa noite!

    No dia 13/06/12 transei com uma garota de programa e quando já estava no final ,percebi que a camisinha havia pocado,porém acho que fiquei exposto por pocuo tempo.Isso foi por volta das 20:30h.No dia Seguinte fui cedo na Secretaria de Saúde do meu município e expliquei para a Doutora a minha situação.Ela me passou uns 8 comprimidos para tomar de uma vez e um pote de comprimidos para tomar durante um mês ( lavizudina+vidozudina),isso desde do dia 14/06.Caso eu tenha contraido o virus,esses remedios podem impedir a sua ação me livrando da doença?

    OBS:Meu teste atual deu negativo.

    • Aids Hiv disse:

      Wanderson, esta conduta é um profilaxia em casos com esses. a tentativa é impedir uma possível contaminação. certamente ela vai pedir q vc faça o teste outras vezes para confirmar o resultado. tudo de bom

  8. ANA CLAUDIA disse:

    sou´portadora a 1ano( q descobri ) meu ex q tbm é , so fiquei com medo na 1º semana depois aceitei ,ja q so tenho 2 saidas aceitar e ser feliz enquanto Deus quiser ou nao aceitar e ser infeliz o resto da minhha vida e na vida so temos uma certeza ” q vamos morrer “todos entao acho q temos q aproveitar melhor a vida , ri mais , brincar mais , amar mais enquanto ha vida , o medo existe mas temos medo de tantas ciosas .separei casei de novo com uma pessoa soro negativo q me ama ,me aceita , cuida de mim ,tras meu remedio na bandeja , nosso amor e otimo nossa vida e normal eu tenho uma doença como tantas outras e vou morrer como todos vcs derrepente ate depois de quem nao tem nada nesse 1 ano ja se foram uns 3 conhecidos q nao tinham hiv e ai ,trabalho sou corretora de imoveis ,alias se quiserem comprar ou vender entre em contato pelo email

    • Aids Hiv disse:

      Ana Cláudia, obrigada pelo seu depoimento… ele é e será extremamente útil para quem acessa o site e passa pela mesma situação! tudo de bom

  9. nilton disse:

    pq não formamos um grupo de apoio um para o outro e todos nos se tornem amigos ande um da forçã para o outros e troacamos informaçoes e assim seremos mais felises,,,

    • Aids Hiv disse:

      Nilton, uma excelente ideia. estar junto de um grupo que apoia e sabe de perto as dificuldades certamente vai ser de auxilio para todos… vamos ver se mais pessoas se interessam e como podemos coloborar com este espaço!

  10. ana claudia disse:

    sua idéia é otima ,assim podemos ter informações a passar um para o outro! apoiado! casa precisar
    anacasacred@gmail.com

  11. Pondja disse:

    Obrigada pelas orientacoes pode se dar o caso em que ela me tenha traido com outra pessoa, eu sempre a disse que traicao nao traz beneficio, depois desta possivel traicao confeco que ja nao a olho do mesmo jeito e ate penso em me separar-me dela

    • Aids Hiv disse:

      Pondja, é preciso ver todas os possibilidades… inclusive de contaminação por transfusão de sangue, uso de seringa contaminada ou mesmo durante a gravidez (da mãe dela para ela)…. é preciso investigar com calma… tudo de bom

  12. anonima disse:

    adorei a ideia do nilton como podemos conversar mais.

  13. henri disse:

    oi!! gostei muito da reportagem muito mesmo.. bom.. eu sou um menino 21 de anos descobrir que estou com o virus do hiv vai fa zer um ano, gracas a Deus nao tomo nenhum tipo de remedio, pois estou muito bem.. Mas tem uma coisa que me mata muitoo e de ficar so, eu sou gay e conheco muita gente, muita gente que me conhecer e tudo e muito dificil pq eu quero namorar e eu fico me matando por dentro, so de pensar no que a pessoa que ta comigo possa nao aceitar me doi muitoooo e me machuca muito, recentemente contei pra um menino com a qual eu estava apaixonado e ele tbm.. ai conto e diz que que naoo que nao da e tals.. poxa e doloroso, eu tenho medo de ficar so pro resto da minha vida.. sera que todo vez vou te que passar por isso, eu sou um cara bonito, joven e tudo e tao assim.. eu saiu .. bebo.. nao mudei a minha vida em nada.. mais odeio ficar so, odeio.. eu nao sei as vezes oq eu quero pra mim.. pq nao sei se vou ter.. poxa pq pq pq.. espero muito muito encontrar alguem pra mim. E doloroso sabe.. pq eu moro com a minha tia e meu tio e minhas primas entao so meus tios sabem e fingem que nada acontece por eu estar normal.. mais naoo. bjs queria desabafa.

    • Aids Hiv disse:

      Henri, não veja o virus como um fator limitante… se você der uma olhada nos comentários aqui do site vai ver que muita gente se relaciona sem o virus se relaciona com soropositivos e vice-versa… primeiro, temos que quebrar as nossas barreiras, os nossos preoconceitos… e tudo vem com o passar todo tempo… você e jovem, tem muita coisa a viver… tenha paciência… tudo de om

  14. anonima disse:

    Quando vcs dizem ter um virus A,B,C no organismo, vcs estão querendo comparar HIV com hepatites? Por favor pare com isso ter hepatite não é nada parecido com vc ter sua vida destruida, pela falta de esperança de vida.

    • Aids Hiv disse:

      Anomina, quando falamos isso queremos dizer que há uma infinidade de doenças que causam debilidade, mal estar, mudança física e emocional, desesperança, entre tanta outras coisas negativas… isso não é privilegio dos portadores do HIV, pode ter certeza! tudo de bom

  15. ANA PAULA disse:

    Oi, descobri que sou soro positivo em dezembro de 2010 em uma doação de sangue, sempre doei sangue de 4 em 4 meses e na ultima vez veio a notícia de eu tinha contraído o vírus, e na mesma epóca meu esposo teve herpes zoster e com meu resultado positivo o exame dele deu positivo. Nós nunca procuramos saber quem tinha contaminado quem, nunca julgamos o outro ou acusamos um o outro,´porque isso não iria resolver nada, só iríamos nos afastar e talvez até nos separar, muito pelo contrário ficamos mais juntos do que nunca, noa ajudando, dando força um ao outro e pensando positivo sempre. Imediato após os exames ele começou a tomar os medicamentos Efavizenz e Biovir e só após 5 meses que eu comecei a tomar os mesmos medicamentos, e graças à Deus não tivemos efeitos colaterais nenhum. Hoje é automático nas nossas vidas tomarmos 1 comprimido de dia e 2 antes de dormirmos. Hoje mudamos de estado por causa do trabalho dele, e estamos mais juntos do que nunca e somos muito mais felizes do que antes, temos uma vida normal, trabalhando, estudando, viajando nos divertindo como qualquer ser humano normal faz.. S´tenho uma reclamação da qualidade de tratamento, no norte do pais é 200% melhor do que no sudeste, talvez seja pela quantidade da população, mas há uma enorme diferença.
    Obrigada.

  16. ANA PAULA disse:

    No norte do país fazíamos exames de 4 em 4 meses, por o sistema ser todo automatizado apresentando o cartão SUS na farmácia do hospital (FMT em Manaus) eles já nos identificam através do sistema e já sabem quais medicamentos tomamos, os exames em 20 dias já estão prontos e são feitos na mesma instituição, além de os exames ficarem registrados no sistema todas as outras consultas com os outros especialistas são registrados no sistema (doctor) e qualquer médico que abrir nosso prontuário tem acesso a todo o nosso histórico, o que tipo de medicamentos tomamos, que tipo de tratamento estamos fazendo em fim manaus pelo menos em relação a HIV/AIDS o tratamento é de primeiro mundo.No Rio de Janeiro todo mês que vamos pegar os medicamentos temos que passar de 2 a 3 horas esperando para sermos atendidos pelo médico e QUANDO somos atendido, porque muitas vezes o médico falta, os exames são feitos em outro local e só são realizados 1 ou 2 vezes ao ano e só CD4 e CV, em Manaus de 4 em 4 meses eles realizam um chek up geral, em fim o SUS no Rio funciona muito precariamente, então eu lhes faço as seguintes perguntas: Porque há tanta diferença de um estado para o outro se estamos no mesmo país? Porque a burocracia é tão grande? Todos os brasileiros não merecem o mesmo tratamento?
    Eu sinto na pele a diferença.
    Obrigada

    • Aids Hiv disse:

      Ana Paula, há muitas questões envolvendo o bom desempenho do serviço de saúde do nosso país, estados e municípios… esperamos um dia que a agilidade e bom atendimento seja oferecido para todos!

  17. Ariana disse:

    Oi pessoal descobrir ser soropositiva dia 19/06/2012 agora a pouco. Foi um baque pra mim entrei em estado de choque, mais tenho muita fé em Deus. Fui ao infectologista e ela me passou os remedios já, pois estou com um quadro de diarreia a mais de 3 semanas, mais já estou melhorando, também perdii peso, por isso. Ainda vou receber o resultado da carga viral só peguei o Cd4 que é 751… Graças a Deus ñ tive nenhuma reação, só tontura e muito sono, mais tiro de letra. Vamos mesmo formar esse grupo de apoio pra trocarmos informações e experiência de quem já tem a muito tempo. Tenho 24 anos e isso é o meu maior medo, quero saber sobre filhos também…. etc e outra coisa sobre essa vacina heim de hiv já estar perto de lançar ou dessa cura. Obrigada!

  18. scheila disse:

    EU VIVO COM HIV A 7 ANOS QUANDO DESCOBRI TINHA 19 ANOS,ENTREI EM CHOK NAO JUGO NINGUEM PORQUE SE EU TO COM HIV FOI PORQUE EU PROCUREI ELA NAO VEIU A TE MIM ANDANDO VERDADE.!!!!!ENTAO EU PROCURO VIVE MINHA VIDA TRANQUILO SEM JULGA NINGUEM E NAO TENTO BOTA A CULPA EM NINGUEM . DI VERDADE NAO SABIA O QUE FAZER MAS EU SEI MUITO BEM QUE DEUS SABE O MOMENTO CERTO DE LEVA AGENTE DESSE MUNDO ..ENQUANTO ELE ME DE VIDA EU VOU ESTA AKI TENTANTO VIVE FELIZ SEM RANCO ,COMO UMA PESSOA NORMAL QUE SE ESTRESSA ,SENTI, RAIVA CHORA ,RI,SE ALEGRA ,PAGA CONTA ,TRABALHA ,FACO ACADEMIA SAIU PRA FAZER UMA CAMINHA CONVERSO COM GENTE ..TENHO UMA ALIMENTACAO NORMAL COMO BASTANTE FRUTA VERDURA ,ADORO PRA MIM VIVE UMA VIDA SAUDAVEL ..NAO VOU AO MEDICO E QUANDO EU VOU FACO O IXAME ELE SEMPRE FALA QUE MINHA IMUNIDADE ESTA BEM NAO ESTA AUTA FICO FELIZ …..E NUNCA TOMEI REMEDIO MAS NO DIA QUE EU PRECISA TOMA REMEDIO EU VOU TOMAR COM ORGULHO E GOSTO ..EXISTE GENTE QUE TOMA REMEDIO PRA GRIPE REMEDIO PRA TUDO E ENTAO EU QUANDO ME SINTO TRISTE POR CAUSA DISSO EU NAO ME SINTO MAL PENSO QUE EU ESTOU COM UMA GRIPE QUE DEPOIS PASSA ..E JA ESTA …..CONTEI PRO MEU NAMORADO QUE EU TINHA MAS EU CONTEI PORQUE EU NAO QUERIA MAS ELE ..PRA VE SE ELE ME DEIXAVA MAS QUANDO EU CONTEI AI QUE ELE ME DISSE…QUE NAO IA ME DEIXA POR NADA NESSE MUNDO….NOSSA FOI UM GESTO TAO LINDO DELE….MAS EU DEIXEI ELE MAS PORQUE EU NAO AMO ELE……E EU CONTEI TAMBEM PRA UM CASAL DE AMIGOS ELE SAO TAO MEUS AMIGOS ME DAO FORCA ME FAZ SENTI BEM …….PRA MI VIVI….NAO TOCAM NO ASSUNTO…MAS QUANDO ELES TOCAM NO ASSUNTO E COMO SE FOSSE UMA COISA BOA…ACHO TAO LINDO….ME FAZEM SENTI MAS VIVA QUE UMA PESSOA QUE NAO TEM HIV…..EU ME SINTO TAO FELIZ….VCQUE TEM PROCURA VIVE SE VC NAO CONFIA EM NINGUEM PRA CONTA SE AJUELHA NO CHAO CONVERSA COM DEUS QUE ELE VAI DA PRA VC UM CONSELHO PRA VC VIVE MELHOR ….ELE EUM AMIGO QUE NAO FALHA CONTIGO ..SEJA FELIZ VIVA A VIDA A TE NO DIA QUE ELE TI CHAMA PRA FICAR DO LADO DELE PORQUE NINGUE VAI VIRAR PEDRA…TODOS NOS UM DIA VAMOS ….QUEM TEM HIV E QUEM NAO TEM HIV ….PORISSO SEJA FELIZ ANO FIQUE COM RAIVA NAO TENTE O SUICIDIO TENTE SE SER FELIZ ……PORQUE DEUS TEM UM PLANO NAS NOSSAS VIDAS ELE E O UNICO AMIGO QUE NOS TEM……SEJA FELIZ ….PORQUE HIV NAO EO FIM DE NADA …..E COMO VC PEGA UMA SIMPLES DOENCA …PELO MENOS EU PENSO ASSIM…..E VIVO TAO BEM FELIZ …

  19. Oliveira disse:

    Oi!!! Meu namorado é soro positivo, descobriu a pouco tempo esta transtornado, tento conversar, amenizar, dar carinho mas muitas vezes o que ele senti é mais forte. A ideia de formar um grupo ajudaria muito, para as pessoas observarem que não estão sozinhas e a troca de experiências é muito válida. Nilton como posso ajudar para formarmos este grupo? Estou a disposição. Abraços e fé a todos!!!

  20. Oliveira disse:

    Oi Ana! Meu namorado é soro positivo, esta em pânico tento conversar e dar força a ele mas esta dificil, ele quer desistir mas preciso dele, queria colocar ele em contato com pessoas como vcs que tem fé e já estão passando pelo tratamento que é o grande medo dele, por favor ajudem-me. Obrigado e fiquem com Deus!!!

  21. Jojo disse:

    Muito bom esse forum. Apoio 100% a criação de um grupo. Descobri recentemente que sou soropositivo, passei pelo período de pânico e desespero, mas tive a sorte de me consultar com um médico super gente fina e que afastou todos os fantasmas da minha cabeça. Quem quiser conversar meu email é jojofloripa202@gmail.com

    Abraço a todos.

  22. Fofinha Feliz disse:

    Olha… sou portadora do hiv, descobri aos 24 anos ou seja… há 11 anos atrás! Chorei muito, perdi o chão. Aí, sumi do hospital. Jesus vai me curar e ponto final. Em agosto de 2010 emagreci repentinamente 14kg, não aguentava comer nada, tinha nojo de comida, só descia melão e água nada mais! E diarreia o dia todo (mais de 15x ao dia indo ao banheiro) aí pensei: É ELA! Aí fui ao CTA, a infectologista (com razão) chamou minha atenção pelo boicote, e me disse que se eu não submetesse corretamente ao tratamento não viveria um ano.Fiquei arrasada. E comecei com Kaletra e AZT – São 3 comprimidos de manhã, e 3 á noite (de 12/12hs) recuperei meus kilos, (aliás excedi rsrs) ganhei mais 17kg! Estou comendo feito loba,saio,brinco,danço,canto,faço teatro,amigos de verdade sabem, alguns parentes de confiança (Não acho bom jogar na praça pois infelizmente o preconceito é pior e maior que a doença) EU particulamente, não me sinto preparada pro bairro inteiro saber. Ninguém me paga um boleto,e tem gente ignorante sem instrução que te vira a cara na rua dizendo: ela tem aids! Então prefiro o sigilo. Pelo menos por enquanto penso assim. É claro que tem que fazer adesão ao tratamento (não faltar ás consultas e exames) de 2 em 2 meses exames de sangue pra consultar carga viral, em alguns casos (no meu) nutricionista, (depois de procurá-la por vontade própria descobri glicose alta olha que perigo! E então iniciei uma dieta adequada orientada por ela) já pensou HIV e diabetes??? Ninguém merece!! Pisicóloga,ginecologista… Ás vezes da revolta sim, não sejamos hipócritas, mas… Como o tempo não para e nem volta atrás para concertamos nossos vacilos (tinha uma vida sexual irresponsável e muito promíscua) eu era o tipo: Comigo nunca vai acontecer, ele é tão limpinho, bonitinho… tá hã hã… vai nessa! AIDS NÃO TEM CARA NEM CURA. Mas GRAÇAS A DEUS atualmente tem tratamento E EFICAZ! detalhe: Ainda creio que Jesus possa me curar.. mas é só se Ele quiser, achar que eu mereço… não depende só da minha fé. Depende do querer dEle. Ás vezes precisamos passar por experiências dolorosas na vida pra admitir que nada somos, que do pó viemos, ao pó retornaremos. VIVO BEM COM HIV – (JÁ TIVE AIDS MANIFESTA) e se VIVO BEM isso não é cura???

    • Aids Hiv disse:

      Fofinha feliz, que volta por cima heim?! parabéns pela superação, fé e força de vontade! isso certamento já é conjunto, se não para cura, para uma saúde estável! muita gente precisa ler depoimentos como o seu! tudo de bom e obrigada por compartilhar a experiência!!!!

  23. anomima disse:

    FAZEM UM ANO QUE DESCOBRI QUE TENHO HIV. GRAÇAS A UM MÉDICO DO SUS, ELE FOI O ANJO DA MINHA VIDA, MAS JUNTO VEIO A HERPES ZOSTER E NELVRAGIA. PRECISEI AFASTAR DA SALA DE AULA, QUE ERA O QUE EU TANTO AMAVA FAZER E PERCEBO QUE NO MEU TRABALHO AS PESSOAS QUEREM SABER O QUE TENHOM E PORQUE NÃO ESTOU LECIONANDO. MAS TENHO MEDO DE NÃO AGUENTAR DAR AULA POR CAUSA DAS DORES DE CABEÇA E MEU PSICOLOGICO ESTÁ BASTANTE AFETADO. TOMO MUITOS REMÉDIOS QUE ME DEIXAM DOPADAS DURANTE O DIA TODO E NÃO VEJO A HORA DE PODER CHEGAR EM CASA E DORMIR. PERGUNTO O QUE POSSO FAZER QUANTO AO FATO DE NÃO PODER DAR AULA? MAS NÃO QUERO FICAR EM CASA SEM FAZER NADA, MAS SEI QUE NA ESCOLA POUCO CONTRIBUO E TENHO QUE CONTAR MENTIRAS POIS SEI QUE A PARTIR DO MOMENTO QUE SABEREM REALMENTE O QUE TENHO, IRÃO ME DESCRIMINAR. JÁ PERDI MINHA MELHOR AMIGA POR ISSO E MINHA FAMILIA MUITO DISCRETAMENTE SE AFASTARAM DE MIM. ME AJUDEM. O QUE FAÇO????

    • Aids Hiv disse:

      Anonima, por que você não aproveita a sua habilidade em dar aula e vai trabalhar como voluntária em alguma instituição, inclusive de portadores do HIV… você certamente vai poder contribuir bastante da maneira mais adequada pra você… tudo de bom

  24. catia disse:

    oi meu nome e catia tenho 38 anos descobri a 4 que sou soro positivo saiba que a vida nao acaba pois ainda temos pessoas que nescessitam de nos para viver tem dias que eu me revolto choro mais eu ainda vejo pessoas piores que estao em uma cama entrevada que queriam estar em nosso lugar vc deve ter uma familia eu nao tenho mais ninguem me apoio em amigos que sempre estao ao meu lado. minha mae faleu em 99, meu irmao em 2000, meu pai em 2008 imagina nao ter ninguem entao olho todas as coisas que Deus nos deixou e penso sera que Deus merece uma desfeita destas assim como vc esta sofrendo pessoas tambem estao pense em sua filha ela nao merece sofrer tudo isto. vc e especial e tem tudo para ser feliz fica em paz e os anjos de luz te guardem e te protejam

  25. anonima disse:

    OI BOA NOITE. PRECISO DE AJUDA SOBRE ALGUMAS DÚVIDAS QUE ME SURGEM COM O DECORRER DO TEMPO. GOSTARIA DE SABER SE POR SER SOROPOSITIVA MESMO TOMANDO OS REMÉDIOS QUASE SEMPRE NO MESMO HORÁRIO E TENDO TOMADO A VACINA H1N1 ESTOU SUSCETÍVEL A FICAR DOENTE COM MAIOR FACILIDADE? TENHO TANTO MEDO DE ADOECER, QUE COMO AQUI NO SUL O INVERNO É MUITO RIGOROSO, FICO SÓ DENTRO DE CASA E EVITO TOMAR FRIAGEM O QUE FAZ COM QUE SEMPRE ESTOU NA CAMA CHEIAS DE COBERTORES E ROUPAS. OUTRO MEDO É DE FICAR PROXIMA DE PESSOAS COM RESFRIADO. FICO EVITANDO ATÉ MINHA FAMÍLIA. ISTO É PARANÓIA MINHA OU É O CORRETO? COM OS REMEDIOS QUE TOMO ESTOU ENGORDANDO MUITO E TENDO MUITA FALTA DE AR ME AJUDEM, O QUE FAÇO?

    • Aids Hiv disse:

      Anonima, o cuidado com a saúde é muito importante, mas de fato não pode haver paranóia em relação a isso. tome sua medicação adequadamente e evite de fato situações que prejudiquem a sua saúde. tudo de bom

  26. Felipe disse:

    Descobri ser soropositivo há 7 dias aceitei de bo mas queria conversar com alguém q seje mais experiente do que eu.. Buscar informações mais detalhadas sobre assunto obrigado

  27. bella ... disse:

    olá ..não tenho o vírus HIV ,mas suspeito que minha mãe tem ,eu não moro com ela,sou casada,e minha mãe é uma pessoa que não se abre muito comigo,sobre nenhum assunto…não sei como perguntar para ela se ela tem hiv ..tenho medo da reação dela ,ela separou do meu pai para ficar com outra pessoa (que eu não conheço) .quero saber se ela tem Hiv,mas sem que ela fique constrangida,com medo de falar,algo assim…se alguem puder me ajudar ,dar sugestoes de um jeito de perguntar isso para ela,eu ficaria grata. No inicio ,qdo começei a suspeitar,fiquei horrorizada,achava que se ela tiver hiv ,iria morrer amanha,ia ficar magra,esqueletética ,tals …ela não é magra,fisicamente nenhum sintoma…gosto muito dela,percebi que ela tem se afastado de mim (acho que por causa do vírus) ,e tbm fiquei boba qdo ela deu com a língua nos dentes e falou que tem um cartão de transporte isento (pensei :ela tem alguma doença,só pode ser hiv) ..se alguem puder me ajudar ..

    • Aids Hiv disse:

      Bella, o que te faz acreditar que tua mãe tem hiv? você já conversou alguém mais próximo dela para tentar saber se ela tem algum problema de saúde? você pode conversar com ela sobre o cartão de transporte, por exemplo. perguntar por que ela conseguiu o benefício.. apesar de vc ter boa vontade, a intimidade de cada um é algo muito pessoal. respeite a decisão da sua mãe em querer ou não falar sobre assuntos pessoais. tudo de bom

  28. anonimo disse:

    olá ….
    a todos soro positvio muita fé em Deus ,
    vcs precisam muito de fé . mas é claro q tem que fazer as medicações correta …(li os depoimentos e duvidas e fiquei mto emocionada em junho de 2008 perdi um tio com hiv)

  29. daniele disse:

    olá pessoal sou soroPOSITIVA há 1 ano, tive neurotoxoplamose e peneumonia fiquei muito mal graças a deus estou bem com a cv indetectavel tenho 2 filhose estou em tratamento para o 3º vai dar tudo certo não desistam da vida ele continua, deixo meu email quero fazer parte do grupo danidanri@yahoo.com.br sampa

  30. Felipe disse:

    Pessoas hoje em dia o Hiv eh visto como uma doença Cronica, igual diabete ou hipertensão, de forma (aguda) mas não mais fatal, Claro se cuidando sempre.

    Olhem esse blog :
    http://jackmackenroth.com/blog/?page_id=1503
    JACK MACKENROTH e soro positivo ha mais de 22 anos, lindo ele neh? , olha o corpo do modelo ! para aqueles tem axam que ficarão magros e feios.
    Pessoal a partir dos anos de 96 com o coquetel disponibilizado no brasil, soó morre dessa doença se vc quizer, Claro vc tem que passar a se tratar, Os medicamentos, hoje em dia estão ficando cada vez menos agressivos, com menos efeitos colaterais.
    Os anti virais a estimativa é que funcione de 3 a 5 decadas, isso mesmo 5 decadas, ainda não existem relatos de 50 anos pelo fato de só ter sido disponibilizado em 96 aqui para gente. Mas se pesquizarmos existem pessoas com 25 anos vivendo com o virus indetectavel, Então não parem a vida de vcs por esta doença, preservem a sua saude, fazer exercicios, uma boa alimentação e o tratamento correto sem falhas, vc não morrerá de aids, vc terá uma vida normal. acredite nisso. apegu-se Deus a Familia, Cultive coisas boas.
    Outra coisa ninguem precisa saber que vc é soropositivo.
    Mas lembre-se previ-se, não faça com os outros o que fizerão com vc. Praticar coisas boas soh atraira coisas boas.
    Sou portador a quase um ano, tomo minhas medicações sem falhas e tenho fé que viverei Feliz. junto com a minha familia muito tempo ;) Pense que vc sabe que vc tem o virus. pode cuidar.
    Muitas pessoas morrem sem saber, exstem doenças piores como o cancer. então se vc descobriu, Deus esta te dando uma segunda chance de viver e ser Feliz.

  31. anonima disse:

    OI BOM DIA! MAS UMA VEZ PEÇO AJUDA PARA VOCÊS EM RELAÇÃO AOS MEDICAMENTO QUE TOMO. SÃO TRÊS TIPOS: LAMIVUDINA DE 12 EM 12 HORAS, TENOFOVIR DE 24 EM 24 HORAS E EFAVIRENZ DE 24 EM 24 HORAS. ÉNTÃO TOMO ESTES MEDICAMENTOS 3 VEZES AO DIA, O QUE FAZ COM QUE, NA CORRERIA DO MEU DIA A DIA, ACABO TOMANDO NEM SEMPRE NO MESMO HORÁRIO, MAS NUNCA DEIXEI DE TOMAR (JÁ ESTÁ COM MAIS DE UM ANO QUE TOMO OS REMÉDIOS). GOSTARIA DE SABER SE POSSO ME PREJUDICAR NÃO TOMANDO ESTES REMÉDIO NA HORA EXATA?
    SE POSSO POR EXEMPLO DE MANHA TOMAR OS 2 COMPRIMIDOS DE LAMIVUDINA E O TENOFORVIR? E FICAR APENAS COM O EFAVIRENZ PARA TOMAR A NOITE? SE PUDEREM ME AJUDAR AGRADEÇO E SE HOUVER ALGUÉM QUE QUEIRA TROCAR EXPERIENCIAS COMIGO SOBRE COMO LUTAR PELA VIDA, MESMO TENDO HIV, ESTOU AQUI. JÁ PRECISEI DE BASTANTE AJUDA E HOJE MESMO COM ALGUNS MOMENTOS DE DESESPERO, SEI QUE MELHOREI MUITO. EU SOU PROFESSORA, SEPARADA, TENHO UMA FILHA DE 11 ANOS (ELA NÃO SABE DA MINHA DOENÇA) E GOSTARIA DE TER ALGUEM PARA TROCARMOS EXPERIENCIAS SOBRE ESTA NOVA FASE DA VIDA. OBRIGADA!!!!

    • Aids Hiv disse:

      Anonima, qualquer orientação sobre medicação você conversar com o seu médico, ele é a pessoa mais adequada para te orientar sobre todo o tratamento, horário de medicações e etc..

  32. anonima disse:

    OI HOJE FIQUEI TOCADA COM O QUE ESTA PESSOA CHAMADA CATIA ESCREVEU, (DIA 06 DE JULHO), E QUERO DISSER QUE MESMO VC SOZINHA TEM LUTADO, CHORADO SIM, MAS ISTO É NORMAL. E NORMAL SOMOS. SOU PROFESSORA TENHO UMA FAMILIA QUE MESMO SABENDO DA MINHA DOENÇA ELES NÃO ME CRITICAM, MAS CHORAM COMIGO, RIEM QUANDO ME VEEM BEM, LUTANDO E DEFENDENDO MINHA FILHA DE TUDO E DE TODOS. NUNCA DEIXEI DE AJUDAR NINGUÉM. MORO SOZINHA MAS TENHO MEU SERVIÇO COM ESTABILIDADE. IA PARA AS CONSULTAS CHORANDO DE MEDO DE MORRER. HOJE EU SÓ PENSO NO PRESENTE E AINDA TENHO MUITO MEDO DE FICAR DOENTE E NÃO PODER CUIDAR DA MINHA FILHA, MAS SEJAS ABENÇOADA, BUSQUE EM DEUS, TENHA FÉ, SUPORTA A CRUZ QUE DEU NOS DEU. TUDO ISSO DEVE TER UM PRÓPOSITO.

  33. alescander souza disse:

    ola anonima eu ja tomo os mesmos remedios a dois anos nao sinto nenhum efeito colateral tomava o lamivudina de12 em 12 o tenofovir 1vez pela mannha eo afavirenz anntes de dormir depois da minha ultima consulta com o infectologista ele perguntou porq eu nao tomava os dois comprimidos de lamivudina junto com o tenofovir juntos pela manha sempre no mesmo horario depois docafe da manha isso fez com que me preocupasse em tomalo de 12 em 12 horas a meses tomo assim lamivudina e tenofovir todo dia entre 9 e9 e meia eo afavirens antes de dormir nao mudou nada mais cada caso e um caso pergunte pro seu medico

  34. Daiane disse:

    Bem,minha tia adotou recentemente uma bebê de 25 dias soropositiva!Achei uma atitude muito bonita dela.Fui ve_la ontem,e é a criança mais linda do mundo,perfeita,beijei muito ela,senti a presença de deus naquele momento!Não entendo pq tem pessoas que tem preconceito!Nao é uma coisa que esta escrito na testa,qualquer pessoa esta sujeito a isso.Proucurarei protejela de pessoas ignorantes e crueis q queiram descrimina_la!Minha prima é uma benção de DEUS!Vcs q tem o virus,nao se deixem levar por essa donça q é mais piscicológica q física!Vou estudar bastante sobre direitos e tratamento,minha priminha é muito amada por nossa familia,trouxe a paz e felicidade para nós!Meu email:darysampa@yahoo.com!bjs galera!

  35. heloisa disse:

    oi ana, sou a heloisa tenho 11 anos. mais a cabeça de 30… rs … eu gostei da sua reação, pois hoje em dia tem gente, que fica com uma doencinha e acha que vai morrer.. bom gostari que vc fosse a minha amiga..pra gente botar o papo em dia sabe? eu tenho 4 irmãos. a vitória de12 anos, o miguel de10anos, a camili de 6 anos e a iasmin de 3 anos.meu pai tem 34 anos. minha mãe tem 32 anos. e a minha madrasta tem 25 anos. minha mãe e meu pai se separaram quando eu tinha 5 anos. bom, moro com meu pai,, com a minha madrasta e as suas duas filhas a camili, e a iasmin. ana melhoras pra vc beijos amiga nova. se quiser conversar comigo to disposta

  36. heloisa disse:

    oi bella, espero que vc esteja bem… sou a heloisa e tenho 11 anos.. Bella, não perca as esperanças tô orando por vc… fica com deus linda.. BEIJOS

  37. heloisa disse:

    OI, ESSE COMENTÁRIO É PRA TODOS VCS. FIQUEM CALMOS QUE DEUS VAI PROTEGER VCS. E OLIVEIRA, NUNCA PERCA A ESPERANÇA

  38. anomima disse:

    gostaria de tirar algumas duvidas. pessoas portadoras de hiv podem tomar medicamentos para emagrecerem? podem tomar os chamados chás verdes, brancos? engordei muito depois que tive herpes zoster e tomei um medicamento chamado carbamazepina e agora mesmo tentando cuidar da minha alimentação engordei quase 16Kg, a médica disse que não é o medicamento, mas eu acredito que seje. Então tenho medo de continuar engordando muito, uma vez que para trabalhar preciso tomar este medicamento diariamente. e a respeito do oleo de côco o que me dizem? as vezes acho que fiquei paranoica depois que descobri esta doença. tenho muito medo de tomar remédios e chás que podem talvez me prejudicar. me ajudem por favor respondendo todas as minhas perguntas. e por favor não venha com frases de auto ajuda que eu detesto isto e nem me pede para falar com minha médica, pois ela mal atende a gente para dar receitas, as vezes tenho que perguntar os resultados dos exames pois ela nem sabe se me pediu exames ou não. um dia fiquei muito nervosa com estas atitudes dela e ela resolveu me encaminhar para o psiquiatra. Desculpe meu desabafo.

    • Aids Hiv disse:

      Anonima, a interação medicamentosa de chá e outros remédios com o seu tratamento deve ser vista e avaliada pelo médico que a acompanha… não podemos agir de maneira leviana e dar a informação que só o médico que a acompanha e sabe do seu histórico pode dar. tudo de bom

  39. anonima disse:

    HOJE É 08 DE OUTUBRO E QUERIA DEIXAR AQUI O MEU REPUDIO A MÉDICA INFECTOLOGISTA DA MINHA CIDADE. DIGO ISTO NÃO POR INTOLERANCIA MAIS PELA FALTA DE HUMANIDADE QUE HÁ NELA. QUANDO ADENTRAMOS AO SEU CONSULTÓRIO A MESMA NÃO FALA DOS RESULTADOS DOS EXAMES, TEMOS QUE ESTAR MOSTRANDO PARA A MESMA, E LEMBRANDO-A QUE OS EXAMES FORAM PEDIDOS. NÃO SABE OS MEDICAMENTOS QUE TOMAMOS E NEM SE QUER LEVANTA PARA VERIFICAR SE ESTAMOS BEM O NÃO. JÁ SOMOS MARGINALIZADOS, DIFAMADOS, IGNORADOS E CULPADOS POR TEMOS HIV E AINDA SOMOS TRATADOS COMO UM AMONTOADO DE LIXOS QUE ESTÃO ESPERANDO A HORA DE SERMOS JOGADOS EM UMA VALA A 7 PALMOS. POSSO GARANTIR QUE ASSIM COMO EU MUITAS PESSOAS ADQUIRIRAM HIV POR UM ACIDENTE E NÃO PORQUE ACHAVAMOS QUE AGUENTARIAMOS O TRANCO. HOJE SE VIVO E GRAÇAS A MINHA FILHA E A MINHA FAMÍLIA QUE ME AJUDAM. NUNCA RECEBI UM ENCENTIVO DESTA MÉDICA PARA CONTINUAR LUTANDO, UMA VEZ QUE A MESMA RECLAMA ATÉ POR GASTAR SEU TEMPO FAZENDO RECEITAS PARA NÓS JÁ DESGRAÇADOS POR ESTE MAL. DEUS TENHA PIEDADE DE NÓS.

  40. Aids Hiv disse:

    Anonimato, obrigada pelo depoimento… sem dúvida é bastante motivador e otimista para quem ainda está na fase difícil da descoberta do vírus ou mesmo quem ainda não aceitou a contaminação! muito obrigada!!!!!

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem