Profissionais de saúde precisam vencer estigmas sobre aids em idosos

Tags:, ,

Estigma, preconceito, falta de informação. Quando o assunto é aids na terceira idade, essas características estão presentes tanto no cotidiano dos profissionais de saúde quanto no dos usuários dos serviços, afirmaram especialistas durante uma videoconferência realizada nesta quarta-feira pelo Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo.

Segundo a médica Mariliza da Silva, da gerência de Assistência Integral á Saúde do Centro de Referência e Treinamento (CRT) de DST/Aids de São Paulo, as pessoas mais velhas estão se infectando pelo HIV porque não se percebem vulneráveis ao vírus. “Elas associam a aids aos jovens, usuários de drogas injetáveis e homens que fazem sexo com homens”, explicou. Por isso, de acordo com Mariliza, o idoso não se preocupa em usar preservativo. “Quando ele fica viúvo geralmente se relaciona com diferentes pessoas e não se previne.”

A médica do CRT declarou que geralmente as pessoas da terceira idade se descobrem com aids depois de alguma internação. Mariliza afirmou que um dos motivos para o diagnóstico tardio é o fato dos médicos não pedirem exame de HIV para os idosos. “Sintomas como fadiga, dor crônica e perda de peso podem estar relacionados simplesmente à idade, mas também podem ser conseqüência da aids. Os médicos não investigam esta possibilidade.”

Prevenção

Jacqueline Garcia, do Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia, disse que quando o idoso pede remédio para disfunção erétil o médico precisa realizar abordagens sobre práticas sexuais seguras. “Geralmente o idoso não quer fazer o teste de HIV. É necessário utilizar novas formas de abordagem e facilitar o acesso a insumos de prevenção”, declarou.

Já Carlos Rodrigues, da Associação Saúde da Família – ONG que realiza projeto de prevenção ao HIV entre pares para idosos – argumentou que muitas vezes a abordagem da sexualidade é relacionada à reprodução. “Como a mulher idosa não engravida, ela pensa que não tem sentido usar preservativo”, disse. Para Carlos, faltam políticas públicas voltadas à sexualidade das pessoas mais velhas.

Na abertura da videoconferência, a coordenadora do Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo, Maria Clara Gianna, avaliou que o diagnóstico tardio do HIV nesse público é uma das lacunas da resposta à aids. Ressaltou também que a interface entre diferentes áreas – como a saúde da mulher – é extremamente importante e que o Estado de São Paulo possui um documento com diretrizes de ações de prevenção às DST/aids em idosos (veja o documento).

Fábio Serrato

Dica de Entrevista

CRT DST/Aids-SP
Assessoria de imprensa
Tel.: (11) 5087-9835

Fonte: Agência Aids de Notícias

Data de criação: 30/08/2011
Última atualização: 30/08/2011

Tags:, ,

Textos relacionados:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem