Para romper o silêncio da aids

Aids, doença que abala o mundo desde os anos 80, enfrenta um silencioso fio condutor da epidemia. A camisinha ainda é encarada como termômetro de confiança entre casais e, por isso, parte das pessoas portadoras do vírus mantém sigilo sobre seu diagnóstico, até mesmo para os parceiros estáveis.

Um dos trabalhos que detecta o segredo dos portadores do vírus HIV foi feito pela Casa da Aids, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Na entidade, são atendidos 3.200 pacientes e 292 foram sorteados para uma pesquisa sobre estilo de vida. Deste total, 66% afirmaram ter relações estáveis com parceiros não soropositivos. Um em cada dez deles admitiu não contar ter a doença.

O medo do abandono do namorado (a), marido (esposa) e companheiro (a) após o relato é o que mais reforça o silêncio entre os casais, afirma o diretor do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, David Uip, um dos maiores especialistas brasileiros no assunto. O perigo, reforça ele, é que mesmo quando sabem do diagnóstico, as relações sexuais entre ambos continuam sendo mantidas sem proteção, postura adotada tanto por pacientes de hospitais públicos quanto pelos que freqüentam as clínicas privadas.

Nas unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) responsáveis por acolher mulheres grávidas e com HIV, a dependência econômica também aparecem como justificativa para o silêncio. As grávidas não revelam aos pais das crianças que estão infectadas por um vírus que tem como forma principal de transmissão o sexo sem camisinha, mesma “fórmula” que as fez engravidar.

Para a enfermeira e professora da Universidade Federal do Alagoas, Renata Karina Reis, os mesmos motivos que fazem com que elas sejam contaminadas geram o silêncio sobre o diagnóstico. A especialista, que fez seu mestrado e doutorado sobe casais sorodiscordantes (quanto um tem o diagnóstico e o outro não), fala que o sexo feminino tem ainda mais dificuldades para negociar o preservativo.

“A maioria das mulheres que hoje entra para as estatísticas de aids tem escolaridade baixa, não tem renda própria o que acaba reforçando a posição de submissão em várias áreas da vida, inclusive na negociação do preservativo”, afirma Renata.

Segundo os ginecologistas que atendem estas mulheres, o segredo dificulta a adesão ao tratamento para que o HIV – que exige mais visitas aos médicos e mais medicamentos ingeridos – não seja transmitido ao bebê durante a gestação. O resultado é que o Brasil ainda tem em seus boletins clínicos 1% de transmissão vertical, ou seja, 1% de crianças que já nascem contaminadas pelo vírus da aids (quase 5.000 por ano).

Culpa de quem?

A avaliação dos especialistas é que, apesar de os dois gêneros enfrentarem dificuldades para falar sobre a doença são as mulheres as que mais acabam revelando a verdade sobre a doença, justamente por serem mais suscetíveis às pressões de manter um segredo tão dolorido. Não dividir o diagnóstico com o parceiro é deixar boa parte da vida na “clandestinidade”. É ter de disfarçar os muitos remédios necessários para controlar a doença em vidros de outros medicamentos, não partilhar as angústias de uma enfermidade e esconder as possíveis sequelas da doença.

O maior silêncio masculino pode ser uma das explicações para o aumento da participação de casos entre mulheres com mais de 50 anos nos dados nacionais de aids, conforme mostrou o último balanço. Em 2000, esta faixa-etária do sexo feminino respondia por 8% do total de casos. Nove anos depois, a parcela subiu para 15%, quase o dobro.

Culpar os portadores do vírus do HIV – que sabem do diagnóstico – e transmitem aids para outras pessoas é uma iniciativa que já faz parte de projetos de lei em trâmite no País e postura adotada por 61% dos profissionais de saúde que atendem soropositivos, conforme mostrou pesquisa ainda inédita da Faculdade de Saúde Pública e publicada pela Agência Estado.

A ressalva feita pela professora Renata Karina Reis é que mesmo entre os que silenciam o diagnóstico não transmitem o HIV de forma intencional ou consciente. Prova disso, reforça o médico e sociólogo Artur Perrusi – ele coordena um grupo ligado à Universidade da Paraíba que trabalha com a sorodiscordância –, é que mesmo quando o parceiro sabe da doença do outro a camisinha continua sendo negligenciada.

“Já ouvi casais dizendo que o preservativo é a lembrança constante de que são sorodiscordantes. E de forma geral as pessoas sabem muito pouco sobre a transmissão. Mesmo na sala de aula da Universidade, as perguntas que aparecem são antigas e denotam falta de conhecimento simples”, afirma Perrusi.

“Por isso, é difícil criminalizar e culpabilizar neste cenário. É diferente quando a transmissão – e é neste ponto que ainda tenho dúvidas – é feita como uma forma de vingança.”

Segundo todos os especialistas, os potentes coquetéis antiretrovirais que garantiram com que o vírus HIV deixasse de ser uma sentença de morte não derrotaram o preconceito enfrentado pelos portadores. Os soropositivos vivem mais, mas ainda têm pouco acolhimento nas unidades para discutir vida sexual, namoro e profissão. “O foco de tratamento é quase exclusivo em medicamentos”, diz a professora Renata.

Uma linda rosa

Mara Moreira tinha só 18 anos quando descobriu o HIV, três meses após casar virgem com o primeiro marido. Ela ficou viúva 1 ano e meio depois de trocar alianças e a morte do companheiro por aids fez com ela passasse sete anos em total isolamento da vida amorosa, das relações sexuais e da possibilidade de dividir a vida com outra pessoa.

O apoio do Grupo Vidda do Rio de Janeiro, no entanto, fez com que ela arriscasse tentar viver mais uma história de amor. Em uma sala de bate-papo, com o codinome “Rosa”, ela encontrou preencheu uma ficha e encontrou Evandro, 98% de afinidade com suas preferências e gostos.

Foram dois meses trocando mais de 200 mensagens por dia até que os dois resolveram marcar o encontro. No shopping, ela atestou que de fato o “amigo virtual” não mentiu sobre os seus 1,90 m de altura e olhos claros. Agora, era hora dela pensar se a mentira sobre seu diagnóstico seria um caminho ou não. Ao mesmo tempo, não conhece ninguém que no primeiro encontro diz “oi, tudo bem? Então, tenho diabetes.” Com o HIV também não era assim.

No 5º encontro, ela depois de pensar muito, resolveu falar sobre a sua condição. Mara é evangélica, segue as determinações de que sexo só depois do casamento, mas não queria deixar só para esta hora a revelação. Evandro ouviu a notícia e foi embora. Naquele dia, as constante média de 200 mensagens de celular trocadas por dia se resumiu a nenhuma.

No fim da tarde, a mensagem “não é porque eu descubro que a Rosa tem espinho que eu vou deixar de achá-la bonita e admirar seu perfume”, confirmou que Mara Moreira havia tomado a decisão certa.

Hoje, eles estão casados há 5 anos, felizes e fazendo da camisinha uma parceira. “A maioria das pessoas não conta ao namorado que tem o vírus por medo da reação, mas não imagina que esta reação pode ser boa. Eu sou feliz hoje e dividir o diagnóstico e poder partilhar várias outras coisas da vida. Não é só a doença.”

Fonte: Dela

Data de criação: 29/09/2010
Última atualização: 29/09/2010

Veja também:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem