País testa droga para prevenir o vírus da aids

A ingestão diária de um medicamento oral contra a aids, além do uso da camisinha, pode evitar a infecção pelo vírus da doença em pessoas saudáveis?

Três centros de ensino e pesquisa brasileiros e 350 homens que fazem sexo com homens no País ajudam a responder a pergunta que, se obtiver resposta positiva, poderá abrir caminho para uma nova arma no combate ao HIV, ao lado do preservativo, ainda o único método comprovado de prevenção.

A fase de testes em humanos do estudo inédito Iniciativa Profilaxia Pré-Exposição (iPrEx), promovido pelo governo norte-americano em parceria com a Fundação Bill e Melinda Gates e coordenada pela Universidade da Califórnia, em São Francisco, foi concluída e a pesquisa acaba de entrar na fase de tabulação de dados.

Os primeiros resultados, espera-se, devem sair até o final do ano. No total, 11 centros de pesquisa no mundo todo participam do trabalho, em seis países (além do Brasil, os EUA, Tailândia, África do Sul, Peru e Equador participam).

Os 350 voluntários brasileiros, saudáveis, não infectados pelo HIV, foram recrutados pela Faculdade de Medicina da USP, a Fundação Oswaldo Cruz e a Universidade Federal do Rio de Janeiro para o estudo, aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Metade recebeu um comprimido diário da combinação de dois antirretrovirais e orientações sobre o uso da camisinha, entre outros cuidados. A outra metade, um comprimido de placebo (substância inócua) e também orientações sobre a necessidade do preservativo para o sexo seguro, entre outras recomendações. O estudo durou um ano e meio.

Na fase de tabulação os resultados dos dois grupos serão comparados, como o eventual número de casos de contaminação pelo HIV em cada um, para se verificar a eficiência dos remédios. O estudo previa que os voluntários fizessem testes frequentes de HIV e que, em caso de contaminação, fossem retirados da pesquisa e recebessem tratamento.

“Caso haja eficácia, será um importante passo para provar que os medicamentos podem também ser usados como prevenção antes da exposição ao vírus”, diz o pesquisador-líder no Brasil, Esper Kallas, da USP. Ele destaca que trabalho semelhante com as mesmas drogas em macacos mostraram eficácia.

Vulnerabilidade. Grupos mais vulneráveis, que têm maior dificuldade em negociar o uso da camisinha em determinadas situações, poderão um dia ser os maiores beneficiados dos resultados da pesquisa- caso de travestis e profissionais do sexo.

Kallas destaca, porém, que mesmo que haja eficácia, a adoção do método pela saúde pública é complexa. Um dado positivo poderá não se reproduzir em outra população, como, por exemplo, entre adolescentes iniciando a vida sexual. “Uma medida que venha a ampliar os métodos de prevenção é sempre bem vinda”, diz Jorge Beloqui, da ONG Grupo de Incentivo à Vida. “Mas a adesão pode variar segundo a população estudada.”
PERGUNTAS & RESPOSTAS

Arsenal para a proteção

1.
O estudo incentiva a deixar de usar a camisinha?
Não. Os voluntários são orientados a utilizá-la. Caso seja eficaz e um dia seja adotada, a profilaxia pré-exposição nunca será usada isolada, mas fará parte de um arsenal de medidas de prevenção.

2.
Usar o remédio na prevenção não é problemático, sendo que há dificuldades de acesso a eles para tratamento?
Essa é uma resposta que só virá a médio e longo prazo e com estudos de custo-benefício específicos.

3.
Por que o foco nos homens que fazem sexo com homens?
Faltam estudos para essa população. Houve estudos com mulheres, mas incompletos.

Fonte: Estadão

Data de criação: 09/11/2010
Última atualização: 09/11/2010

Veja também:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

1 Comentário Publicado

  1. APARECIDA SCARCELLA disse:

    EU CREIO E TENHO MUITA FÈ EM DEUS QUE MUITO EM BREVE
    ESSES HOMENS QUE VIVEM NA PESQUISA ,IRÃO CONSEGUIR
    ACHAR O REMEDIO PARA A CURA DESSA DOENÇA, POIS TENHO
    PESSAS NA FAMILIA QUE SOFRE COM ESSE MAL, SOU EVANGELICA E ORO TODOS OS DIAS PARA QUE O MAIS BREVE
    ACONTEÇA UM MILAGRE

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem