Ministério da Saúde lança campanha contra aids criada por travestis

28/04/2010

Em uma ação inédita, o Ministério da Saúde, a Secretaria de Direitos Humanos, e travestis de todo país lançam nesta quarta-feira a primeira campanha nacional de promoção de direitos humanos e prevenção à aids idealizada pelas próprias travestis. A campanha “Sou travesti. Tenho direito de ser quem sou” tem como objetivo sensibilizar a sociedade contra o preconceito e a discriminação, além de informar as travestis sobre as formas de prevenção da doença.

Além de folders informativos impressos, a campanha conta com uma novidade: materiais eletrônicos voltados às travestis, como toques de celular, telas de descanso e vídeos. As peças, idealizadas pelas próprias travestis, mostram como elas realmente são, por meio de vídeos que apresentam, por exemplo, os fatores que influenciam a escolha do nome social.

Além do foco no público-alvo da iniciativa, a campanha tem um folheto dirigido ao serviço de saúde que convida o profissional de saúde a fazer a sua parte. Informações como aplicação de silicone, aparência física feminina, o uso do banheiro e a identificação das situações de risco que podem levar as travestis à infecção pelo HIV são abordadas no folheto.

Para a população geral, o principal foco da campanha é o preconceito. Com o slogan, “olhe, olhe de novo, e veja além do preconceito”, as travestis se apresentam como pessoas comuns, que trabalham, estudam e possuem famílias.

A campanha, disponível no site www.aids.gov.br/travestis, foi elaborada durante uma oficina de criatividade, realizada de 16 a 18 de janeiro, em Brasília (DF). Participaram do evento 16 travestis, das cinco regiões do Brasil. Os materiais gráficos serão distribuídos pelo Ministério da Saúde para 96 instituições não governamentais que atuam nessa área.

Fonte: Globo

Data de criação: 28/04/2010
Última atualização: 11/08/2010

Veja também:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem