Estudo indica que uso de um antibiótico popular ajuda a reduzir mortes por aids

Tags:,

03/04/2010

De acordo com um artigo científico publicado recentemente na revista The Lancet, o fato de não usar este medicamento significa perder a oportunidade de salvar vidas de forma simples e barata.

“A profilaxia com o cotrimoxazol (combinado com o tratamento antirretroviral) é eficaz e tem efeitos importantes para a saúde pública”, disse o pesquisador principal desse estudo, Charles Gilks, acrescentando que essa dupla terapia pode reduzir pela metade a taxa de mortalidade nos pacientes com HIV.

Dr. José Valdez Madruga, infectologista e pesquisador do Centro de Referência em DST/Aids de São Paulo (CRT), explica que o Bactrim é muito usado para evitar doenças como a toxoplasmose e a pneumocistose em pacientes com o sistema imunológico debilitado.

“Esse remédio é na verdade uma das medidas que usamos para prevenir as doenças oportunistas entre as pessoas com HIV e a aids”, comentou.

Até a Organização Mundial da Saúde já reconheceu a importância deste antibiótico na luta contra a aids, recomendando o seu uso para crianças soropositivas.

Entretanto, muitas pessoas em várias partes do mundo ainda não recebem esse medicamento.

Na África, por exemplo, estima-se que uma de cada quatro pessoas que começa a tomar antirretrovirais morre no primeiro ano de tratamento, mas se o Bactrim fosse receitado logo que a pessoa se descobrisse portadora do HIV, a chance de reação do sistema imunológico seria muito maior.

O artigo da revista The Lancet foi baseado num estudo feito com 3179 pessoas do Uganda e do Zimbabwe, cujo sistema imunológico se encontravam gravemente afetados e o número de células de defesa do organismo, o CD4, estava abaixo de 200 cópias por milímetros cúbico de sangue.

Fonte: Agência de Notícias da Aids

Data de criação: 08/04/2010
Última atualização: 23/04/2010

Tags:,

Textos relacionados:

AIDS | HIV nas redes sociais

  • orkut
  • twitter
  • facebook
  • youtube
  • rss

Deixe sua mensagem

Lembramos que a equipe do site AIDS/HIV é formada por jornalistas. Portanto, as informações encontradas no site NÃO dispensam as orientações médicas. O nosso objetivo é informar e nunca substituir a palavra de um médico.


(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem